Yoga na gestação

Antes de engravidar do meu primeiro filho resolvi praticar Yoga.
Queria preparar meu corpo e mente antes mesmo de gerar meu filho. Foi a melhor coisa que fiz!
Acredito que fez toda a diferença para ter uma gestação tranquila, de paz mesmo. Eu me sentia plena, feliz, e exercitando meu corpo e o preparando para o parto (não, não foi normal infelizmente, mas sem problema nenhum).
Fiz aula até o dia que ele nasceu!
Minha professora Adriana Fisher vai contar pra vocês a importância dessa prática na gestação e seus benefícios. Vale a pena ler!

“Bom dia, mamães, futuras candidatas e curiosas…. Vou tentar ser breve, num assunto tão vasto e tão lindo de se explorar.
Quando falamos de yoga, todas já temos mais um menos uma ideia: posturas difíceis, meditação, técnicas de respiração, tudo isso tortura pra alguns, e pra todos que praticam o remédio que nós ocidentais encontramos pra equilibrar corpo e mente.
Também o que falarei a seguir vem de estudos que meu Guruji B.K. Iyengar, sua filha Geeta Iyengar, tiveram o maior cuidado em desenvolver e compartilhar conosco o resultado.
Yoga, vem do sanscrito e significa unir, juntar; a união da alma com a verdade eterna.
E nesse momento tão especial de vocês, essa união é potencializada vezes mil, não só a união do teu ser, mas a de um outro formando dentro de ti, então devemos ter um carinho e cuidado ainda maiores com nosso corpo e tudo aquilo que ingerimos física e emocionalmente.
É recomendado que a futura mamãe, comece tua prática antes da concepção, para melhorar a sua saúde maternal e assegurar uma saúde perfeita para seus bebês. De qualquer forma, tendo ou não feito esse preparo, durante o primeiro trimestre a prática de qualquer tipo de exercício deve ser feita com olhares atentos de um professor, e com autorização do seu médico. Neste primeiro momento, os  asanas (exercícios físicos do yoga) deverão ser de enfoque de  expansão/ e abertura da cavidade pélvica, para criar espaço para o útero, possibilitando assim uma melhor circulação de sangue e espaço para seu bebê. Pranayamas ( exercícios respiratórios) também ajudam a acalmar os nervos, te traz confiança e coragem, e cura a fatiga.
Passado o primeiro trimestre, você ficará mais livre para aprofundar, dentro do seu limite, na sua prática… E poderá continuar até o final da sua gestação, muitas das minhas alunas continuam até 40/41 semanas, óbvio que com todo o suporte e mudanças necessárias na postura pra cada momento da sua gestação, mas o “feedback” de todas é que se sentem muito melhor após a aula do que quando chegaram ao estúdio.
Benefícios:
– boa digestão;
– melhora circulação sanguínea;
-melhora sua capacidade respiratória;
– relaxa as tensões nervosas e livra o sangue das toxinas;
A lista de benefícios do yoga segue por páginas, mais no meu olhar, a prática do Yoga, neste momento, mais do que trabalhar tua flexibilidade, tua concentração, respiração, vem pra nos ajudar a aceitar…. Um momento com tantas mudanças, físicas, emocionais,mentais … Responsabilidades, opiniões de tanta gente…. SER MÃE; aceitação de que tudo é e será feito da melhor forma pra aquele momento, sem mais o teu controle, que tudo a partir de agora mais importante, é um outro coração batendo dentro de você.
Que possa a prática te abençoar nesse momento tão especial, te ajudar a enfrentar os desafios pela frente, e que possa você colher os frutos desta linda prática milenar de auto-conhecimento, por nós… E por nossas futuras gerações.”
Ela separou algumas posições ilustrativas para vocês entenderem melhor sobre cada uma delas…
1. Pranayama
Sentada ou deitada, com a coluna ereta, inspire lenta e profundamente pelo nariz, preenchendo bem os pulmões. Expire também pelo nariz lentamente.
2. Uttanasana
Em pé com as pernas afastadas e com a ponta dos pés voltada para fora (a distância entre os pés deve ser maior do que a largura do quadril), encoste as costas e o bumbum na parede e flexione as pernas lentamente, escorregando o quadril em direção ao chão. Mantenha o bumbum fora do solo, se preferir, coloque um bloco (específico para a prática da ioga) ou um cobertor dobrado para apoiar. Deixe os cotovelos levemente apoiados sobre os joelhos e una das mãos em frente ao peito. Esta postura fortalece a musculatura das pernas e do assoalho pélvico.

3. Catuspadasana

Fique em quatro apoios, deixando os joelhos na largura do quadril e as mãos na largura dos ombros. Inspire, elevando ligeiramente a coluna e descendo a cabeça em direção ao peito. Exale, descendo a cintura e elevando a cabeça. Mantenha o ritmo da respiração. Esta postura fortalece as articulações e previne dores nas costas.

4. Viparita Karani

Deite-se com as costas no chão e coloque uma almofada, não muito alta, na região lombar. Encoste o bumbum na parede e estenda as pernas para cima. Apoie as mãos na barriga e repouse. Esta postura alivia o cansaço das pernas e da lombar e melhora a circulação.
5. Savasana
Deite-se sobre o lado esquerdo do corpo. Deixe a perna esquerda estendida e a direita flexionada e apoiada em um travesseiro. Use também uma almofada para apoiar a cabeça (na altura do ombro). Feche os olhos e visualize mentalmente cada parte do seu corpo. Não faça movimentos e aproveite esse momento de tranquilidade para se conectar ao bebê. Depois de se sentir completamente
relaxada, retorne os movimentos de pés, pernas, mãos e braços se espreguiçando de forma lenta.
Eu e a Dri uma semana antes do meu primeiro filho nascer!
Gostaram? Beijos

Comentários

About Author