Parto na água – Dra. Cinthia Calsinski

Acreditamos que todos os tipos de parto devem ser analisados pela gestante e discutido com a sua equipe.

Para que a futura mamãe possa tomar a decisão de qual tipo de parto gostaria de ter e entender caso seja necessário uma mudança nos planos, ela deve buscar o máximo de informações possíveis.

Nesse post, a nossa colaboradora, Dra. Cinthia Calsinski, vai explicar os procedimentos e benefícios do parto na água.

Informação de qualidade nunca é demais! Aproveitem!!!!

Beijos!

parto na água

Na Grécia antiga, os bebês que se tornariam príncipes ou princesas nasciam em banheiras. A vantagem não é o nascimento em si, mas sim o relaxamento muscular profundo e alívio da dor que a parturiente sente por ficar imersa na água. Este é considerado um método não farmacológico e natural de analgesia.

Procedimentos:

  • Água entre 36 e 38 graus
  • Momento ideal para entrar: quando o trabalho de parto progride (por volta dos 5 cm de dilatação)e a dor esta presente, pois se a mulher entrar muito cedo o trabalho de parto pode demorar mais ou ser inibido por algum tempo.

Benefícios para a mãe:

  • Bem estar
  • Relaxamento físico e mental
  • Diminuição da ansiedade
  • Liberdade e facilidade de movimentação
  • Estado anti gravidade
  • Diminui o pedido por analgesia
  • Diminui o tempo de trabalho de parto
  • Diminuindo assim, o risco de cesariana
  • Não se pode fazer episiotomia em partos na água

Benefícios para o bebê:

  • Parto é menos traumático
  • Ocorre diminuição do choque térmico
  • Contato pele a pele é inevitável
  • Adaptação ao meio extra uterino é facilitada

Riscos:

  • Os estudos não demostraram que o parto na água aumenta o risco de hemorragias, asfixias e aspiração de água pelo bebe.

Contra indicações:

  • Gravidez de risco
  • Parto prematuro
  • Febre
  • Infecção materna
  • Sangramento vaginal
  • Mecônio
  • Pré-eclampsia
  • Frequência cardíaca fetal fora dos parâmetros esperados

Existe um estudo publicado em 2004 que comparou 3000 partos feitos na água com outros 5000 partos, concluiu-se que partos na água:

  • Diminuem laceração
  • Diminuem perda sanguínea
  • Diminuem a necessidade de analgesia

Não houve diferença na incidência de infecção da mãe ou do bebê.

Cinthia

Dra. Cinthia Calsinski

Especialista em obstetrícia.

Mestrado e doutorado em enfermagem pela Universidade Federal de São Paulo

Telefone para contato: (11) 98208-8890

www.cinthiacalsinski.com.br

Facebook: Cinthia Calsinski Enfermeira Obstetra

Instagram: @cinthia.calsinski

Comentários

About Author