Febre

Filho não deveria ficar com  doente, com febre, é ou não é? Que mãe não pensa isso… “Preferia que fosse em mim”.
A primeira vez que o Rafael teve febre eu fiquei APAVORADA!!!
Claro que não gosto nem um pouco quando os vejo caidinhos, mas hoje lido melhor e não ligo no mesmo segundo para a SANTA Pediatra. Dou uma observada nos sintomas antes… Se estão comendo, brincando, ativos.
Aconteceu com o Rafa, mais do que com o Felipe, de ter febre que aparecia do nada e ia embora da mesma forma que chegou… Mas quando somos mães de primeira viagem, tudo nos preocupa de uma forma muito maior.
Lembro como se fosse ontem, eu estava na casa dos meus sogros, em Minas, quando o primogênito teve sua primeira febre. Meus sogros médicos (graças a Deus) me acalmaram e medicamos. No dia seguinte parecia que nada tinha acontecido… Não teve mais febre nenhuma. Bizarro, mas acontecia.
É considerado febre temperatura acima de 37,8. Menos que isso a criança está febril e é preciso apenas observar.
Já aconteceu dos meninos estarem com febre baixa e super caidinhos, e com febre alta a mil por hora!!!
O Felipe já teve otite sem ter febre alguma, mas chorava muito, estava enjoado… Por isso eu disse que se atentar ao comportamento é extremamente importante.
O que eu faço quando eles estão com febre:
–       Dou banho morno para frio;
–       Coloco roupas leves;
–       Ofereço bastante líquidos, principalmente água.
Tem gente que usa toalhas mornas ou uma fita em gel geladinho na testa da criança que aliviam a febre também. Esses métodos não deram certo em casa, pois eles tiravam toda hora.
Abaixo um texto informativo e médico sobre o que é febre e recomendações
O que é febre?
A temperatura do corpo humano é controlada por uma área do cérebro chamada hipotálamo, que age como um termostato ajustado para manter os órgãos internos a 37ºC (graus Celsius). Esse objetivo é alcançado por meio do equilíbrio entre a perda de calor pelos órgãos periféricos (pele, vasos sanguíneos, glândulas sudoríparas, etc.) em contato com o ambiente e a produção de calor pelo processo metabólico dos tecidos internos.
Quando o organismo é agredido por um agente externo ou por uma doença dos órgãos internos, o termostato pode elevar a temperatura dois ou três graus acima dos valores habituais, o que caracteriza a febre.
Na verdade, a febre não é uma doença; é uma reação do organismo contra alguma anomalia. Também não é necessariamente um mal. Nas infecções, por exemplo, ajuda o sistema de defesa a livrar-se do agente agressor.
Diagnóstico
A maioria dos quadros febris é provocada por doenças infecciosas comuns e de curta duração. No entanto, como a febre pode também ser um dos sintomas de várias enfermidades diferentes, é indispensável estabelecer o diagnóstico diferencial para orientar a conduta terapêutica.
Em todos os quadros febris, é muito importante medir a temperatura três ou quatro vezes por dia e anotar os valores e horários correspondentes. Saber se os picos febris são altos ou baixos e em que horário se manifestam ajuda a identificar as enfermidades que possam estar envolvidas e a estabelecer o diagnóstico.
Causas
Entre as causas da febre, é importante destacar as infecções por vírus, bactérias, fungos e parasitas e as não infecciosas, como as doenças do sistema nervoso central (hemorragias, traumatismos, tumores cerebrais), as neoplásicas (câncer de fígado, rins, intestinos, linfomas, leucemia), as cardiovasculares (infarto, tromboflebite, embolia pulmonar), hipertireoidismo, alguns tipos de hepatite e de doenças reumáticas, etc.
Recomendações
A febre pode ser o sinal de alerta de uma doença que precisa ser tratada com rapidez. Por isso, procure assistência médica nos seguintes casos:
* Temperatura acima de 37,5ºC e abaixo de 35,5% em bebês com menos de três meses e superior a 39ºC em bebês com mais de três meses, ou se a febre alta ou baixa vier acompanhada de choro persistente e irritabilidade extrema;
* Febre que dura mais de um dia, acompanhada de dor de cabeça, irritabilidade, sonolência, dificuldade para falar, apatia (sintomas sugestivos de meningite) em crianças de até dois anos;
* Febre em pessoas de qualquer idade acompanhada dos seguintes sintomas; dor de cabeça forte e persistente, sensibilidade excessiva à luz; dor de garganta que impede a deglutição; vermelhidão na pele; nuca endurecida e dolorosa ao curvar a cabeça; confusão mental; vômitos repetitivos; dificuldade para respirar ou dor no peito; irritabilidade ou apatia ou sonolência; dores abdominais; dor ao urinar ou micção frequente em pequena quantidade.
Espero ter ajudado vocês.

Beijocas
(Fonte)

 

Comentários

About Author