Entrevista com endocrinologista

Gente, já fazia algum tempo que queria marcar uma consulta com um Endocrinologista. Apesar de ter realizado todos os exames solicitados pela minha Ginecologista quando parei de amamentar a Luísa, sentia necessidade de investigar mais detalhadamente toda a minha parte hormonal.

Tive muita sorte em encontrar um profissional fantástico: Dr. Frederico Maia.
Além de super estudioso e competente, o Dr. Frederico é muito disponível e acessível.
Tive total liberdade de pedir para ele escrever sobre temas importantes da área dele, tanto pré, durante e pós-gestação. Ele topou na hora.
Para começarmos, eu e a Fefa resolvemos fazer uma mini entrevista com o Dr. Frederico, abordando questões que consideramos gerais e de bastante interesse de todos.
No decorrer das semanas ele irá abordar temas mais específicos de uma forma mais detalhada.
Estávamos muito animadas e ansiosas para dividir essa novidade com vocês!
Aproveitem!!!!
Olá, eu sou o Dr. Frederico F. R. Maia. Sejam bem-vindos ao espaço da saúde Promovida @ Mãe, onde vamos esclarecer algumas dúvidas sobre a saúde hormonal da mulher e da criança, conversar sobre alimentação saudável e qualidade de vida em geral.
– Quais os cuidados necessários para a mulher antes de engravidar?
R: A gestação é um dos momentos mais importantes na vida da mulher, e para que tudo corra dentro do mais seguro possível, alguns cuidados antes de engravidar são importantes. Em primeiro, consulte seu ginecologista e avalie os riscos, exames, e estratégias a serem tomadas! Paralelo a isso, o ideal é uma avaliação clínica, para excluir problemas cardíacos, renais, hepáticos, que possam interferir na gestação. Em segundo, diversos trabalhos na área obstétrica, mostram que o uso diário de ácido fólico por pelo menos três meses antes de engravidar, continuando até o terceiro mês de gestação é recomendado, devido a seu impacto nas malformações fetais complexas. E daí, uma série de cuidados como evitar álcool / bebidas alcoólicas, evitar uso de medicações sem conhecimento de seu médico, manter-se em alimentação saudável, balanceada, e, sobretudo manter o peso dentro da normalidade, são etapas fundamentais para a evolução tranquila da gestação.

– Que tipos de exames ela deve fazer?

R: Após a avaliação ginecológica, exames de sangue e imagem em geral são solicitados para verificar o estado de saúde da candidata à mamãe. A histórica clínica, envolvendo idade, doenças prévias, peso / índice de massa corporal (IMC), uso de medicações, etc. todos esses fatores é que vão direcionar os exames a serem realizados. As sorologias são em geral solicitadas pela ginecologista para definir a vacinação (etapa importante para futura gestante) e os riscos para o feto. Exames de sangue (tipo sanguíneo, fator RH, vitaminas e funções renal, hepática), urina (afastar infecção e risco de abortamento), e hemograma completo. A avaliação do risco de diabetes (que envolve a história familiar e prévia) e doenças da tireoide também é etapa fundamental a ser avaliada pelo Endocrinologista, bem como a pesquisa do estado de vitaminas no organismo, como a vitamina D, importante para formação fetal. Em geral, o teste para diabetes é feito no início da gravidez (chamado de RASTREAMENTO) e no período entre a 24a e 28a semana.

– Quais os cuidados para a mulher que quer engravidar e já está acima do peso?

R: A obesidade e sobrepeso já são problemas de saúde pública, e afetam quase metade de nossa população. Logo, o número de mulheres já engravidando acima do peso é cada vez maior; aliado à idade acima dos 35 anos (parece que virou moda, não é?!) e stress intenso da vida diária, as mulheres aumentam cada vez mais seu risco de diabetes. O ideal seria a mulher inicialmente procurar o Endocrinologista, fazer o tratamento adequado, envolvendo reeducação alimentar, investigação hormonal e depois de atingido o peso ideal, ser liberada para uma gestação o mais dentro do saudável possível. Pois sabemos que essa gestante acima do peso já terá um risco maior, uma alimentação e cuidados mais restritos, com ganho de peso monitorado, para se evitar complicações como o diabetes gestacional. Ou seja, cuide-se! Alimente-se bem, exercite-se e faça os exames hormonais necessários!
– Quanto se pode ou deve engordar na gestação? Comer por dois jamais?
R: O ideal é que a gestante de IMC normal (19-24.5), que é medido pela fórmula peso (kg) / altura x altura; (veja se você está no peso “normal”???); o ideal, portanto, é que a grávida aumente de 8 kg a no máximo 13 kg. Em geral, após 30-45 dias do parto, o ideal é que essa mamãe já próxima ao peso que tinha antes de engravidar. Os perigos do excesso de peso são diversos, como deficiência de vitaminas, (especialmente a VIT. D), além de alterações de pressão e a pré-eclâmpsia, bem como o risco de diabetes. Se a alimentação for desbalanceada e houver abuso na ingestão de sal, os riscos aumentam consideravelmente. Assim, deve-se dar preferência aos alimentos orgânicos (sem agrotóxicos), de baixa caloria, alto teor de fibras e baixa taxa de gordura trans e saturadas; com pouco consumo de doces / farinhas brancas, tudo bem definido pelo especialista. Fracionar a alimentação em intervalos menores de 2-3 horas auxilia na redução dos sintomas do 1o trimestre e na boa evolução do peso. Além disso, a maioria que já entra na gravidez acima do peso, dificilmente conseguirá superar a amamentação com redução de peso adequada. Procure auxilio o quanto antes e se cuidem!!!
– Caso a mulher tenha alguma disfunção de tireoide quais os cuidados que devem ser tomados?
R: Se a mulher já possui problema conhecido na tireoide, como o excesso de função (hipertireoidismo) ou perda de função / falência da tireoide (o mais comum, o hipotireoidismo), além de nódulos ou histórico de câncer na família, ela deve procurar o Endocrinologista preferencialmente ANTES da gestação, cerca de 3-6 meses, para os ajustes de medicação necessários. É preciso ajustar as doses de hormônios para que o desenvolvimento fetal ocorra dentro da maior segurança possível evitando complicações como abortamento e parto pré-termo (aquele antes de 37 semanas). Alguns exames serão necessários e avaliados pelo especialista em tireoide, para que tudo corra dentro do mais adequado possível!

– E a mulher que tem diabetes? Pode engravidar? Quais os riscos para ela e o bebê?

R: A mulher que já possui diabetes tem que aumentar seu rigor no controle glicêmico, para que tenha condições de engravidar com segurança para ela e a criança. As visitas ao Endocrinologista ficarão mais frequentes, exames de rotina e ajustes de medicações, pois a maioria das novas medicações (chamadas de mais modernas, muitas vezes), não podem ser usadas na gravidez; na maioria dos casos, o uso da insulina é o método mais seguro para todos! É imprescindível informar seu médico para que ele faça os ajustes necessários. Em caso de usuárias de insulina (diabetes tipo 1, especialmente), o controle deve ser rigoroso, para se manter o nível de hemoglobina glicada (a1c) dentro das metas, na gravidez são mais rígidas. Além disso, o controle nutricional, e em alguns casos, indicamos o uso de bomba de insulina para ajustar esse controle em tempo hábil, para uma gestação mais segura e com menos complicações! O descontrole em geral, aumenta o risco de eclampsia, aumento fetal (macrossomia) e riscos obstétricos, portanto. Falaremos mais sobre os riscos, tipos de tratamentos (medicamentos ou insulina) e possíveis cuidados também na hora do parto futuramente!
O Dr. Frederico Maia (CRM-SP 135.915) é médico especialista em Endocrinologia e Metabologia, com Título de Especialista pela SBEM; com Mestrado e Doutorado em fase final pela UNICAMP; atua ativamente no corpo clínico do Hospital Israelita Albert Einstein (SP) na área de hormônios.
Para acessar o Currículo completo do Dr. Frederico, clique aqui
Comentários

About Author