Drenagem Linfática na Gestação

Nós fizemos drenagem linfática durante as duas gestações! Achamos ótimo pois além de prevenir, auxiliava a reduzir um pouco o inchaço… Além de ser um momento super relaxante para a mamãe!
Converse com o seu ginecologista sobre a possibilidade de fazer massagem e procure sempre um profissional especializado!
A clínica da Dra. Andrezza Botelho (maiores informações clique aqui) preparou um texto bem informativo sobre o assunto!
Aproveitem!
Beijos!!!

Durante o período gestacional, a mulher passa por várias alterações físicas e emocionais, que podem resultar em desconforto ou até mesmo dor, causando-lhe limitações durante a execução das suas atividades, interferindo diretamente na sua qualidade de vida.
A gestante refere diversas queixas, dentre elas o edema gestacional. O edema gestacional é definido como um excessivo acúmulo de líquido nos tecidos. Embora seja considerado uma adaptação fisiológica na gestação, provoca muito desconforto para a gestante. A Drenagem Linfática Manual visa melhorar este aspecto.
Os objetivos da drenagem linfática manual são: recolocar em movimento o líquido intersticial e permitir uma maior reabsorção dos excessos, favorecer a abertura dos capilares linfáticos e, com isso, a eliminação dos resíduos provenientes do metabolismo celular, aumentar a regeneração celular e estimular o sistema imunológico
O ritmo deve ser uniforme, lento, suave, monótono e repetitivo. Um ritmo adequado, que é aquele que anula a sensação mecânica, imprime à manobra uma sensação agradável, deve-se realizar a manobra na freqüência determinada e tempo correto. Obedecendo sempre o sentido da circulação linfática. A pressão deve ser adequada à técnica, não podendo ser forte para não obstruir os capilares linfáticos.
Os benefícios da Drenagem Linfática Manual são: auxiliando no alívio de problemas circulatórios (por estimular o sistema venoso e linfático) e musculares, melhora a nutrição das células, reduz o inchaço melhorando o desconforto, melhora o aspecto da celulite, alivia tensões e dores musculares, bem como outros problemas relacionados às mudanças hormonais, tais como enxaqueca, insônia, constipação intestinal e cansaço, além de proporcionar relaxamento à gestante. A aplicação exerce um efeito relaxante não por seu efeito “drenante”,mas por ser lenta, suave, monótona e repetitiva.
Para obtenção dos benefícios da drenagem ou até mesmo de massagens em gestantes, alguns cuidados devem ser adotados como o controle da pressão arterial, pois a pressão das gestantes tende a ser mais baixa no início da gravidez e pode cair ainda mais, e rapidamente, com tratamentos que promovam o relaxamento. Outro cuidado é o posicionamento, isso porque algumas mulheres grávidas ao adotar a posição supina podem desenvolver a Síndrome da hipotensão supina, caracterizada por: tonteira, desfalecimento, palidez, taquicardia, sudorese e náusea. A causa dessa sintomatologia é a pressão exercida pelo útero sobre a veia cava inferior e as grandes veias pélvicas, o que promove o acúmulo de sangue nos membros inferiores, diminuindo o retorno venoso ao coração, queda do debito cardíaco e hipotensão. Para evitar esse quadro pode-se adotar o decúbito lateral (principalmente o esquerdo), pois esse permite o alivio da obstrução das grandes veias abdominais, permitindo que o sangue acumulado nos membros inferiores retorne rapidamente a circulação sistêmica.
Além do conhecimento das particularidades da gestação e seus devidos cuidados, deve-se lembrar que existem situações independentes ao período que contra-indicam a realização de massagens e drenagens como: tumores benignos ou malignos; distúrbios circulatórios, por exemplo, flebite, tromboflebite; inflamação aguda; doença da pele, por exemplo, eczema, furúnculos; hiperestesia da pele; processos infecciosos; e fragilidade capilar. Gestantes que fazem uso de heparina possuem maior fragilidade capilar com risco de trombocitopenia e hemorragias, situações que a DLM traria mais risco que benefícios.
É fundamental que a gestante passe por um acompanhamento médico antes de iniciar o tratamento. As sessões podem ser iniciadas a partir do terceiro mês, cerca de duas vezes por semana. Em casos de edemas exacerbados, a gestante poderá fazer até três sessões semanais, desde que o médico responsável tenha acompanhamento.
O fisioterapeuta em conjunto com outros profissionais da saúde pode dar suporte à mulher grávida, pois o esclarecimento do auto-cuidado como a hidratação da pele, alimentação, ingestão hídrica, exercícios e recursos considerados seguros para o período gestacional possibilitam à futura mãe vivenciar este momento de intensas modificações físicas e emocionais em harmonia com seu corpo, sem conferir risco a sua saúde e a do seu bebê.
Comentários

About Author