Deixar os avós cuidando dos filhos: sim ou não?

Quando o Rafael nasceu minha mãe me deu uma super força nos três  primeiros meses de vida dele. Foi  muito importante pra mim tê-la do meu lado, pois me ajudou principalmente psicologicamente. Às vezes, eu não deixava ela fazer algo  (já falei sobre isso aqui) e ela questionava: “Mas Fê aproveita que estou aqui. Venho aqui todos os dias para te ajudar com ele!”… Eu respondia: “Mãe, preciso muito de você pra me ajudar comigo!”. Eu estava muito angustiada no início e ela era meu braço direto (esquerdo também).

Como ela não mora perto de casa, no dia-a-dia fica difícil ela curtir os meninos, mas quando chega o final de semana é maravilhoso!!! Percebo que ela, meu pai e minha madrinha aproveitam eles de uma forma especial e única. Estão descansados, bem mais dispostos que eu (rsrs. A semana é pesada) e entram de cabeça nas brincadeiras. Eu quando dá aproveito para dar uma relaxada… (ufa!).

Não sou contra jamais quem deixa os filhos com os avós todos os dias, aliás um alívio em termos de confiança e carinho, mas fico imaginando o quão cansativo deve ser pra eles, pois para gente já é demais, não é mesmo? O fator da idade influência muito sim!

Achei uma pesquisa super bacana que fala exatamente sobre isso e vou dividir com vocês!!!

Como é a curtição dos avós por aí? Eles cuidam diariamente dos netos ou crutem mais finais de semana?

Mandem suas experiências pra gente! Queremos ouví-las.

Beijocas

Avós que tomam conta dos netos uma vez por semana são mentalmente mais ativas, diz estudo Em contrapartida, cuidar dos pequenos muitas vezes na semana demonstrou ser prejudicial!
Cuidar dos netos uma vez por semana ajuda a manter as avós mentalmente ativas, constatou um estudo publicado no jornal The North American Menopause Society. Isso é uma boa notícia especialmente para aquelas que se encontram no período pós-menopausa, quando precisam se prevenir e reduzir os riscos de desenvolver Alzheimer e outras doenças cognitivas.
Por outro lado, tomar conta dos pequenos cinco dias por semana ou mais teve alguns efeitos negativos em testes de acuidade mental realizados na pesquisa.
— Sabemos que as mulheres mais velhas, que são socialmente engajadas, têm uma melhor função cognitiva e um menor risco de desenvolver demência posteriormente. Entretanto, o excesso também pode ser prejudicial — afirmou a diretora executiva da publicação, Margery Gass.
Três testes diferentes foram aplicados em 186 australianas, com idades entre 57 e 68 anos, para avaliar a sua capacidade mental. Entre as 120 avós, aquelas que passaram um dia por semana cuidando dos netos tiveram o melhor desempenho. Ao contrário, aquelas que tomaram conta dos pequenos durante cinco ou mais dias por semana saíram-se significativamente pior nos testes que avaliaram memória e velocidade de processamento mental. A descoberta surpreendeu os pesquisadores, os quais não esperavam por esses resultados.
Embora outras investigações já tivessem analisado a relação entre a capacidade e atividade mental e ser socialmente engajado, esta é a primeira vez que uma pesquisa enfoca o comportamento deste grupo específico.
— Já que ser avó é um papel social tão importante e comum para as mulheres na pós-menopausa, precisamos saber mais sobre os seus efeitos futuros na saúde— explica Margery.
Comentários

About Author