6 coisas que você deve saber sobre congelar óvulos

Congelar óvulos vale a pena?

Por tudo que tenho visto e vivenciado eu digo que sim.

Hoje tenho trinta e cinco anos e se não fosse mãe ainda, optaria por congelar óvulos. Essa seria a idade ideal para fazer isso.

Gravamos um episódio pro nosso canal sobre Produção Independente e o ginecologista que participou, o Dr. Rodrigo da Rosa Filho falou dos benefícios para a mulher que opta em engravidar mais tarde fazer o congelamento. Mesmo que essa mulher resolva não usar, pelo menos ela garantiu óvulos de qualidade e uma possível gravidez.

Abaixo você encontra 6 coisas que deve saber sobre congelar óvulos.

Boa leitura!

Beijocas

1- Procure congelá-los até 35 anos

A marca dos 35 anos é importantíssima quando se trata de fertilidade feminina. É a partir desta idade, principalmente, que a reserva ovariana começa a diminuir gradativamente e os óvulos apresentam perda de qualidade.

“Essas alterações são ainda mais significativas dos 40 anos em diante. Quando a mulher atinge esta idade, ela conta com apenas 8% da sua função reprodutiva. Por isso, o ideal é que o congelamento seja realizado antes deste período. Assim existe uma garantia de melhor qualidade oocitária, maior taxa de sucesso na gestação e menor incidência de doenças genéticas”, esclarece Audrey.

Apesar disso, a especialista não descarta o congelamento após os 35. “É provável que, neste caso, por apresentar uma reserva ovariana menor em decorrência da idade, a mulher tenha que realizar o procedimento mais de uma vez a fim de obter um número razoável de óvulos para uma fertilização futura.”

2 – O congelamento não tem prazo de validade…

Executado o procedimento, Audrey garante que os óvulos podem ser mantidos congelados por tempo indeterminado. “A utilização será feita, então, no momento em que a paciente achar mais oportuno”, diz.

3- Mas aconselha-se que a fertilização seja feita até os 50 anos

O Conselho Federal de Medicina assinou uma resolução, em 2013, que limita a fertilização in vitro a mulheres com menos de 50 anos. “Isso se deve a maiores riscos de complicações clínicas que possam acontecer na gestação em idade materna avançada”, explica. “As perdas gestacionais e a malformação fetal são diretamente proporcionais ao aumento da idade da mãe.”

A partir dos 40, a gravidez já é considerada de risco, mas os problemas podem ser minimizados nesta idade caso os óvulos tenham sido coletados em idade jovem.Além disso, com o avanço das técnicas laboratoriais, pacientes submetidas a este tipo de fertilização podem avaliar geneticamente o embrião antes que ele seja transferido ao útero.

4 – Congelamento de óvulos vs. Congelamento de embriões

Aqui, o raciocínio é simples, mas envolve decisões diferentes. Segundo a especialista, o congelamento de óvulos nada mais é do que o processo feito exclusivamente com o gameta feminino. “Assim que congelados, os óvulos podem ser descongelados e fertilizados no momento em que a futura mãe achar mais oportuno”, conta ela.

Já o congelamento embrionário é resultado da fertilização in vitro prévia do óvulo pelo espermatozoide. Considerando que o embrião é produto da fecundação do gameta feminino pelo gameta masculino, quando o casal realiza o processo junto, normalmente, a decisão por descongelar o embrião costuma ser conjunta.

O cenário só muda de figura quando a fecundação acontece com espermatozoides de um doador de sêmen anônimo. Neste caso, a decisão fica na mão da mãe.

5 – A coleta dos óvulos é feita sob o efeito de anestesia local

Todo o procedimento começa dez dias antes da efetiva captura dos óvulos. “Inicialmente, a paciente é submetida ao uso de medicamentos responsáveis por estimular o crescimento folicular ovariano e a maturação dos óvulos. Esta etapa dura, em média, dez dias e não muda a rotina de vida da paciente. Assim que alcançamos um número adequado e o tamanho ideal de folículos, é programada a coleta dos óvulos”, explica Audrey.

A segunda etapa acontece em uma clínica especializada em reprodução humana por meio de um procedimento cirúrgico que exige o uso de anestesia e dura cerca de duas horas. “A punção ovariana é feita pelo canal vaginal e guiada por um ultrassom, que auxilia na localização dos folículos ovarianos. Os óvulos são capturados um a um. Em seguida, são encaminhados ao laboratório que avaliará o grau de maturidade e viabilidade de congelamento.”

Por conta da anestesia, o procedimento costuma ser indolor.“Entretanto, no pós-operatório imediato, a paciente pode sentir cólicas, que são geralmente discretas”, acrescenta ela.

6 – Preço médio do congelamento

Apesar de ser de extrema importância para algumas mulheres, o congelamento de óvulos ainda não é uma técnica muito acessível. “A média do mercado está entre R$ 6 mil e R$ 10 mil”, esclarece Audrey. Mas alguns hospitais oferecem o tratamento de fertilidade pelo SUS, como o Pérola Byington, que tem programa gratuito de congelamento de óvulos para pacientes com câncer.

“O Instituto Ideia Fértil, da Faculdade de Medicina do ABC, tem um projeto de cunho social sem custos para pacientes com doenças graves que necessitam da preservação da fertilidade antes do início do tratamento da doença”, acrescenta Audrey. Para consultar todos os locais que oferecem o procedimento, vale entrar em contato com o Disque Saúde, no 136.

Fonte: Revista Marie Claire

 

 

 

 

Comentários

About Author